Cancro europeu das pomáceas, CIDASC, Florianópolis, SC

23 de março de 2022

Ver ampliada

Figura 1. Ramos de macieira (Malus domestica) com sintoma de cancro europeu. Porto Alegre, RS, março de 2021.

Figura 2. Peritécios em ramos de macieira (Malus domestica) visualizados nas margens dos cancros. Porto Alegre, RS, março de 2021.

 



Figura 3. Ramos de macieira (Malus domestica) com sintoma de cancro causado pelo fungo Neonectria ditissima (sin. Neonetria galligena), com destaque para a observação dos peritécios avermelhados nas margens do cancro. Porto Alegre, RS, março de 2021.



Figura 4. Peritécios avermelhados de Neonectria ditissima nos ramos de macieira. Porto Alegre, RS, março de 2021.

 



Figura 5. Ascósporos de Neonectria ditissima obtidos a partir dos peritécios e visualizados sob microscópio ótico utilizando o corante azul de Amann.

 



Ramos de macieira (Malus domestica) provenientes da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (CIDASC), Florianópolis, SC que apresentavam sintoma de cancro foram analisadas e o diagnóstico foi de Neonectria ditissima.

 O fungo N. ditissima (sin. Neonectria galligena ou Nectria galligena, fase sexuada), fase assexuada Cylindrocarpon heteronema (Chaverri et al., 2011) é uma Praga Quarentenária Presente nos estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná. Possui dois tipos de esporos: os conídios e os ascósporos e ambos têm capacidade de infectar e formar novos cancros (Chaverri et al., 2011).

            O cancro europeu das pomáceas é uma doença que afeta principalmente partes lenhosas como os ramos do ano, os galhos e o tronco principal da planta e ocasionalmente os frutos. O cancro apresenta áreas concêntricas alternadas de tecidos doentes e sadios ao redor de um centro deprimido que ocorrem nos caules e troncos. E os frutos afetados podem apresentar podridão firme de cor marrom escuro próximo a região do cálice (Alves, 2014).

 A partir do desenvolvimento do cancro, esporodóquios e peritécios estão presentes ao longo do ano e a disseminação vai depender da quantidade de chuva. Durante o inverno, o fungo sobrevive na forma de micélio na superfície dos cancros e como ascósporos dentro dos peritécios avermelhados nas margens dos cancros, apresentando diâmetro menor que de 1 mm (Chaverri et al., 2011; Alves & Nunes, 2019).

A principal forma de controle da doença é a remoção dos ramos doentes, aplicação de fungicidas e o monitoramento a partir da fiscalização de viveiros e pomares (Nunes & Alves, 2018).

Referências

ALVES, S. A. M. Embrapa Uva e Vinho. Como identificar o Cancro europeu das pomáceas. Disponível em: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/bitstream/doc/957125/1/FolderCancroeuropeu.pdf. Acesso em: 14 out. 2021.

 ALVES, S. A. M.; NUNES, C. C. Avanços no manejo do cancro europeu em macieiras. XVI Enfrute Levando conhecimento e tecnologia para a fruticultura. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/204903/1/XVI-Enfrute-Meirelles-2019-43-47.pdf. Acesso em: 14 out. 2021.

 CHAVERRI, P.; SALGADO, C.; HIROOKA, Y.; ROSSMAN, A.; SAMUELS, G. Delimitation of Neonectria and Cylindrocarpon (Nectriaceae, Hypocreales, Ascomycota) and related genera with Cylindrocarpon-like anamorphs. Studies in Mycology, v. 68, n. 1, p. 57 78, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.3114/sim.2011.68.03.

NUNES, C. C.; ALVES, S. A. M. Cancro europeu. Cultivar Hortaliças e Frutas, n. 112, p. 29-31, 2018. Disponível em: https://www.grupocultivar.com.br/noticias/manejo-adequado-do-cancro-europeu-na-maca. Acesso em: 14 oct. 2021.

....................................

How to cite:  Andrade, C. C. L.; Andrade, G. L.; Dalbosco, M.; Guterres, C. W. 2021. European Canker / Cancro europeu das pomáceas, CIDASC, Florianópolis, SC. Agriporticus. Disponível em: https://agronomicabr.com.br/DetalheAgriporticus.aspx?id=2050