Publicações

Treinamento "MONITORA FERRUGEM"

04 de fevereiro de 2022

Ver ampliada

Caroline, Aline e Camila, as três responsáveis pelo treinamento [Observação: Todos nossos colaboradores usam máscara, que foi retirada apenas para a foto. O Agronômica oferece dois testes semanais para a COVID para seus colaboradores, um obrigatório.].

Ver ampliada

Título do treinamento "Monitora Ferrugem"

Ver ampliada

Ver ampliada

Ver ampliada

Ver ampliada

O aplicativo kahoot.it foi utilizado para prova de conhecimento sobre o assunto do treinamento.

Ver ampliada

As lâminas com fita adesiva dupla-face devem ser acondicionadas de maneira que a superfície da fita não toque nas paredes da embalagem.

Em parceria com a SEAPDR (Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural), através da Dra. Andréia Mara Rotta de Oliveira e Dr. Ricardo Augusto Felicetti (Chefe do Departamento de Defesa Vegetal), e EMATER-RS (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Rio Grande do Sul), através do Eng. Agr. Elder Dal Prá (Coordenador da Área de Culturas e de Defesa Sanitária), o AGRONÔMICA ofereceu o treinamento para a análise de lâminas das armadilhas de esporos de Phakopsora pachyrhizi, agente causal da Ferrugem da Soja, que se realizou online, das 9 às 12 h desta quinta-feira, 03 de fevereiro de 2022.

Atuaram na "comissão de frente" as doutoras Caroline Wesp Guterres (Gerente Técnica), Aline Suelen da Silva (analista do Setor de Micologia) e Camila Cristina Lage de Andrade (coordenadora do Setor de Micologia) do Laboratório Agronômica.

A SEAPDR e a Emater estão coordenando o programa de monitoramento da ferrugem asiática da soja no RS. O monitoramento tem sido realizado utilizando coletores de esporos, nos quais são instaladas lâminas com fita adesiva para detecção de esporos nas lavouras monitoradas. As seguintes instituições e empresas estão no programa e estavam representadas no treinamento:

  1. SEAPDR- Departamento de Defesa Vegetal  e Centro de Pesquisa 
  2. EMATER-RS
  3. Instituto Federal do Rio Grande do Sul – Campus Vacaria
  4. Setrem- Sociedade Educacional Três de Maio
  5. Empresa 3tentos
  6. UPF - Universidade de Passo Fundo
  7. UNICRUZ - Universidade de Cruz Alta
  8. UERGS - Universidade Estadual do Rio Grande do Sul
  9. UNIPAMPA - Universidade Federal do Pampa
  10. EMBRAPA CLIMA TEMPERADO
  11. URI - Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões
  12. UFSM - Universidade Federal de Santa Maria
  13. MADALOSSO PESQUISAS
  14. UFFRS (Universidade Fronteira Sul)

As lâminas têm sido analisadas por fitopatologistas e técnicos de diversas instituições do Estado que colaboram com o Programa. Contudo, nem todos os colaboradores realizam de forma rotineira a identificação de Phakopsora pachyrhizi  e com frequência há relatos de dificuldade na diferenciação dos uredosporos do fungo e de outros patógenos presentes no campo que também são captados pelos coletores. 

O treinamento ficou enriquecido pela participação dos integrantes das diversas instituições e empresas. Vários detalhes foram trazidos, como, por exemplo, a espessura e qualidade da fita dupla-face utilizada nas lâminas, entre outras informações preciosas para quem realiza este trabalho de monitoramento. 

O Agronômica se sente prestigiado em colaborar com o Programa de Monitoramento da Ferrugem Asiática da Soja no RS, pois acredita na importância do monitoramento desta praga como forma de subsidiar o manejo da doença.

Afinal, "O NOSSO NEGÓCIO É SAÚDE DE PLANTAS!"

*******

Algumas Referências Bibliográficas Utilizadas na Organização do Treinamento

  1. Bachi, P. 2006. Asian soybean rust (Phakopsora pachyrhizi) on Soybean (Glycine max). Forestry Images - University of Kentucky Research and Education Center - Bugwood.org. Disponível em: <https://www.forestryimages.org/collections/viewcollection.cfm?&coll=72192>. Acesso em: 7/1/2022.
  2. Blum, M. M. C.; Reis, E. M.; Franciei, T. V.; Carlini, R. 2015. In vitro effect of substrate, temperature and photoperiod on Phakopsora pachyrhizi urediniospore germination and germ tube growth. Summa Phytopathol. 41:101–106 Disponível em: <https://www.scielo.br/j/sp/a/LQJXbnHJhKnnXXGWKrgBXrC/abstract/?lang=en>. Acesso em: 6/1/2022.
  3. Cummins, G. B.; Hiratsuka, Y. et al. 2003. Illustrated genera of rust fungi. American Phytopathological Society (APS Press). Disponível em: <https://www.cabdirect.org/cabdirect/abstract/20033110681>. Acesso em: 6/1/2022.
  4. Igarashi, W. T.; Ishikawa, M. S.; de Oliveira, G. M.; Saab, O. J. G.; Igarashi, S. 2012. Comparative morphology between uredospores of species of agricultural importance. Pesquisa Aplicada & Agrotecnologia. 5:89–93 Disponível em: <https://revistas.unicentro.br/index.php/repaa/article/viewFile/1918/1967>. Acesso em: 23/12/2021.
  5. Kelly, H. Y.; Dufault, N. S.; Walker, D. R.; Isard, S. A.; Schneider, R. W.; Giesler, L. J.; et al.    2015. From Select Agent to an Established Pathogen: The Response to Phakopsora pachyrhizi (Soybean Rust) in North America. Phytopathology. 105:905–916 Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1094/PHYTO-02-15-0054-FI>.
  6. Koch, E.; Ebrahim-Nesbat, F.; Hoppe, H. H. 1983. Light and Electron Microscopic Studies on the Development of Soybean Rust (Phakopsora pachyrhizi Syd.) in Susceptible Soybean Leaves. Journal of Phytopathology. 106:302–320 Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1111/jph.1983.106.4.302>. Acesso em: 6/1/2022.
  7. Loehrer, M.; Botterweck, J.; Jahnke, J.; Mahlmann, D. M.; Gaetgens, J.; Oldiges, M.; et al. 2014. In vivo assessment by Mach-Zehnder double-beam interferometry of the invasive force exerted by the Asian soybean rust fungus (Phakopsora pachyrhizi). New Phytol. 203:620–631 Disponível em: <https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/nph.12784>.
  8. Marchetti, M. A. 1975. Uredial Development of Phakopsora pachyrhizi in Soybeans. Phytopathology. 65:822–823 Disponível em: <https://play.google.com/store/books/details?id=0O_ujgEACAAJ>. Acesso em: 6/1/2022.
  9. Marchetti, M. A.; Melching, J. S.; Brombield, K. R. 1976. The effects of temperatures and dew period on germination and infection by uredospores of Phakopsora pachyrhizi. Phytopathology. 66:461 Disponível em: <https://www.apsnet.org/publications/phytopathology/backissues/Documents/1976Abstracts/Phyto66_461.htm>. Acesso em: 6/1/2022.
  10. Maumary, R. L.; Pioli, R. N.; Amsler, A.; Ivancovich, A. 2016. Germination and infection of Phakopsora pachyrhizi under simulated environment of the central area of Santa Fe, Argentina. Chilean J. Agric. Anim. Sci. 32:173–183 Disponível em: <https://www.scielo.cl/pdf/chjaasc/v32n3/aop0116.pdf>. Acesso em: 23/12/2021.
  11. Oliveira, G. M.; Heling, A. L.; Possamai, E. J.; Seixas, C. D. S.; Osmar Conte, W. T. I.; Igarashi, S. 2020. Coletor de esporos: descrição, uso e resultados no manejo da ferrugemasiática da soja. IDR Paraná - EMBRAPA SOJA. Disponível em: <https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/220504/1/Circ-Tec-167.pdf>. Acesso em: 23/12/2021.
  12. Reis, E. M.; Reis, A. C.; Zanatta, M. 2021. A soja [Glycine max (L.) Merr. ], a ferrugem e Phakopsora pachyrhizi em números. +Soja. Disponível em: <https://maissoja.com.br/a-soja-glycine-max-l-merr-a-ferrugem-e-phakopsora-pachyrhizi-em-numeros/>. Acesso em: 23/12/2021.
  13. Yeh, C. C.; Sinclair, J. B.; Tschanz, A. T. 1982. Phakopsora pachyrhizi: uredial development, urediospore production and factors affecting teliospore formation on soybeans. Australian Journal of Agricultural Research. 33:25 Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1071/ar9820025>. Acesso em: 6/1/2022.

________________________________________________________________________________________________________________

  • Material Apresentado no Treinamento, cópias pdf e ppt
  • Treinamento para análise de armadilhas de esporos de Phakopsora pachyrhizi - material de referência: Clique aqui.

*******

How to cite: Guterres, C. W.; Andrade, C. C. L.; Silva, A. S. 2022. Treinamento "MONITORA FERRUGEM". Agronômica Notícias. Disponível em: <https://agronomicabr.com.br/detalhe.aspx?id=3797>. Acesso em: 04.fev.2022. (Atualize a data de acesso.)