Phytophthora nicotianae causando morte de Kalanchoe

22 de fevereiro de 2022

Ver ampliada

Figura 1. Planta flor-da-fortuna (Kalanchoe blossfeldiana), adquirida no mercado local de Porto Alegre, RS, apresentando coloração marrom do caule, desde a superfície do substrato, progredindo para hastes laterais em direção ao topo da planta.

Figura 2. Planta flor-da-fortuna (Kalanchoe blossfeldiana), adquirida no mercado local de Porto Alegre, RS, apresentando escurecimento vascular e podridão.



Figura 3. Crescimento micelial em região do colo de planta flor-da-fortuna (Kalanchoe blossfeldiana), adquirida no mercado local de Porto Alegre, RS.



Figura 4. Esporângio papilado subgloboso de Phytophthora nicotianae presente em planta flor-da-fortuna (Kalanchoe blossfeldiana), adquirida no mercado local de Porto Alegre, RS.



Figura 5. Esporângio papilado ovóide de Phytophthora nicotianae presente nos tecidos de planta flor-da-fortuna (Kalanchoe blossfeldiana), adquirida no mercado local de Porto Alegre, RS.



Figura 6. Curvas de amplificação do DNA do micélio coletado no caule da flor-da-fortuna por PCR em tempo real  (Huang et al., 2010).



Um planta da flor-da-fortuna (Kalanchoe blossfeldiana), ou simplesmente Kalanchoe, em vaso com substrato, comprada no mercado local de Porto Alegre, RS, apresentando escurecimento do caule, desde o solo, progredindo para hastes laterais em direção ao topo da planta e folhas (Figura 1) foi recebida no laboratório para diagnóstico. A presença de escurecimento vascular e podridão interna (Figura 2) também era evidente, assim como a presença de crescimento micelial na região inferior do caule (Figura 3), com a presença de esporângios (Figuras 4 e 5). Os sintomas e sinais apontaram para a hipótese de podridão radicular de  fitóftora. Essa doença pode ser ocasionada pelo oomiceto Phytophthora nicotianae, com relatos de ocorrências em diversos países, incluindo o Brasil (Erwin, 1996; Watanabe et al., 2007; Oliveira, 2008).

O meio cenoura-agar-PARP (fungicidas: PCNb (quintozeno) e benomil (0,05 g/L), iprodiona 50% (0,04 g/L); extrato de levedura, sacarose; e os antibióticos: sulfato de neomicina (100 mg/L) e cloranfenicol (50 mg/L)) foi utilizado para isolamento, porém este caminho demanda maior tempo.

Dessa forma, o micélio formado na haste foi coletado e triturados em nitrogênio líquido e o pó foi utilizado diretamente na PCR em tempo real (Huang et al., 2010), com primers específicos para identificação da espécie P. nicotianae, confirmando a identidade (Figura 6).

Esta estirpe de P. nicotianae está disponível em nossa Coleção de Agentes Biológicos Santa Verônica Giuliani para aquisição dos interessados.

O Nosso Negócio é Saúde de Plantas!

*******

Referências

EPPO Global Database. Phytophthora nicotianae var. nicotianae (PHYTNN). Disponível em: https://gd.eppo.int/taxon/PHYTNN. Acesso em: 22.fev.2022.

Erwin, D. C.; Ribeiro, O. K. 1996. Phytophthora Diseases Worldwide. APS Press, St. Paul, Minnesota, 562 pages. Disponível em: https://nt.ars-grin.gov/fungaldatabases/fungushost/new_frameFungusHostReport.cfm. Acesso em: 10.fev.2022.

Huang, J.; Wu, J. J.; Li, C. C..; et al. Detection of Phytophthora nicotianae in Soil with Real-time Quantitative PCR. 2010. J Phytopathol 158:15–21. Doi: 10.1111/j.1439-0434.2009.01554.x.

Oh, M.-M.; Son, J. E. 2008. Phytophthora nicotianae transmission and growth of potted kalanchoe in two recirculating subirrigation systems. Sci. Hortic. . 119:75–78 Disponível em: <https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0304423808002793>.

Oliveira, J. M. Caracterização morfológica, molecular e patogênica de espécies de Phytophthora associadas aos citros. 2008. Lavras: UFLA. 50 p. Disponível em: http://repositorio.ufla.br/jspui/bitstream/1/2687/1/DISSERTA%C3%87%C3%83O_Caracteriza%C3%A7%C3%A3o%20morfol%C3%B3gica%2C%20molecular%20e%20patog%C3%AAnica%20de%20esp%C3%A9cies%20de%20Phytophthora%20associadas%20aos%20citros.pdf. Acesso em: 21.fev.2022.

Watanabe, H.; Taguchi, Y.; Hyakumachi, M.; et al. 2007. Pythium and Phytophthora species associated with root and stem rots of kalanchoe. J Gen Plant Pathol 73, 81–88. Disponível em:  https://doi.org/10.1007/s10327-006-0338-0. Acesso em: 10.fev.2022.

*******

A flor-da-fortuna (Kalanchoe blossfeldiana), ou simplesmente Kalanchoe, pertence à família das crassuláceas, originária da África. Possui folhas suculentas sendo resistente ao calor e a pouca água. Os tons desta linda flor, variam entre vermelho, alaranjado, amarelo, rosa, lilás e branco.

*******

How to cite: Silva, A. S.; Andrade, C. C. L.; Missau, L. Z.; Ávila, G. U.; Celada, L. A. 2022. Phytophthora nicotianae causando morte de Kalanchoe. Agriporticus. Disponível em: http://www.agronomicabr.com.br/agriporticus/detalhe.aspx?id=2046. Acesso em: 22.fev.2022 (Atualize a data de acesso.)