Cancro cítrico em tangerineiras no Vale do Rio Caí, RS

07 de maio de 2013

Ver ampliada

Figura 1. Tangerina ‘Montenegrina Rainha’ com sintoma de cancro cítrico. Montenegro, RS. Autor: Henrique Belmonte Petry

Figura 2. Tangerina ‘Montenegrina Rainha’ atacada pelo cancro cítrico. Montenegro, RS. Autor: Henrique Belmonte Petry



Figura 3. Face adaxial de uma folha da tangerineira ‘Montenegrina Rainha’ com sintomas de cancro cítrico. Montenegro, RS. Autor: Henrique Belmonte Petry



Figura 4. Folhas da tangerineira ‘Montenegrina Rainha’ com cancro cítrico. Montenegro, RS. Autor: Henrique Belmonte Petry



O cancro cítrico é causado pela bactéria Xanthomonas citri subsp. citri e ataca praticamente todas as espécies do gênero Citrus (Fundecitrus, 2008). A doença causa lesões salientes nas folhas, ramos e frutos, sendo estas com aspecto de cortiça, e nas folhas ocorrem em ambos as faces do limbo de forma simétrica, normalmente com a presença de um halo amarelado no entorno da lesão (Goes & Reis, 2009).
As tangerineiras comuns (bergamoteiras), Citrus deliciosa, são consideradas as menos suscetíveis ao cancro cítrico, juntamente com as tangerineiras ‘Ponkan’ (C. reticulata) (Fundecitus, 2008).
No verão de 2013, devido a ocorrência normal de precipitações associado a dias com alta temperatura, houve um aumento na incidência de cancro cítrico na região do vale do rio Caí, Rio Grande do Sul (RS), segundo relatos de produtores. A incidência de cancro cítrico nas tangerineiras é pouco comum e geralmente ocorre com baixa severidade.
Entretanto, nesta safra, há relatos da ocorrência de cancro cítrico de modo mais severo em tangerineiras ‘Montenegrina Rainha’ (Figuras 1 a 4), ‘Montengerina’ e ‘Caí’, principalmente em pomares posicionados em topos de coxilhas e próximos a pomares de outras variedades cítricas de maior suscetibilidade, como as laranjeiras-doces. Associado a estes fatores, a ausência ou insuficiência de quebra-ventos e excesso de vigor das brotações pela adubação nitrogenada em excesso, levou a uma maior incidência da doença este ano.
Como métodos de controle da doença, indicam-se aplicações de produtos a base de cobre (0,15% cobre metálico), quando as folhas das brotações (3 fluxos de brotação por ano) estiverem com aproximadamente 2/3 do seu tamanho final estimado e nos intervalos para proteção dos frutos; utilização de quebra-ventos; limpeza dos implementos, ferramentas e material de colheita, principalmente se utilizados em áreas contaminadas; supressão da adubação nitrogenada de verão, para diminuir o vigor da brotação de verão, época de maior incidência de cancro cítrico nas nossas condições.

Autor do relato e das fotos:
Eng. Agr. Henrique Belmonte Petry
CREA-RS 164221
Mestre em Fitotecnia - UFRGS
Doutorando PPG Fitotecnia - UFRGS