Agronômica: um "case" de sustentabilidade?

25/05/2019
















Os diretores do Agronômica, Patrícia e Valmir, proferiram palestra nesta quinta-feira, 23 de maio de 2019, com o título em epígrafe, no 1º Simpósio em Fitotecnia - A ciência para uma agricultura sustentável, que ocorreu na quarta e quinta-feira, na Faculdade de Agronomia, UFRGS. O evento foi organizado pelos pós-graduandos do PPG Fitotecnia e contou com pesquisadores nacionais e internacionais, incluindo uma sessão especial de empreendedorismo!
A apresentação começou com a declaração de ambos diretores terem se formado naquela faculdade e a grande gratidão por isso.
Os treze anos de história do Agronômica foram de crescimento contínuo, passando de dois para 41 colaboradores, mas com muitos desafios.
A vinculação do credenciamento da empresa pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento com a acreditação pela CGCRE/Inmetro, de acordo com a Norma ABNT NBR ISO/IEC 17025, para análises de diagnóstico fitossanitário, exigiu muito suor, mas aumentou o poder competitivo do laboratório através do incremento na qualidade dos serviços prestados e na credibilidade.
A sustentabilidade econômica do empreendimento exige empenho permanente de todos os colaboradores do Agronômica e a principal estratégia tem sido investimento em pessoal e tecnologia.
O escopo completo de análises de pragas e outros organismos exige profissionais especializados nas áreas de acarologia, bacteriologia, entomologia, herbologia, micologia, nematologia, virologia, utilizando análises morfológicas, bioquímicas, biológicas, fisiológicas, sorológicas e moleculares (LAMP, PCR, RT-PCR, qPCR, RT-qPCR e sequenciamento), tanto para detecção quanto para determinação, com equipamentos e técnicas de última geração.
A partir de 2013, o Agronômica instalou uma unidade em São Borja, RS, junto ao MAPA, na fronteira Brasil-Argentina, e, a partir de 2018, em Foz do Iguaçu, PR, e Campinas, SP.
A sustentabilidade do ambiente faz parte do negócio do Agronômica e está relacionada à segurança alimentar global, a qual depende da saúde das plantas. A defesa sanitária vegetal exercida pelo MAPA, responsável pela fiscalização dos produtos e subprodutos vegetais no trânsito internacional, objetiva evitar a disseminação de pragas, e o Agronômica auxilia o MAPA através das análsies laboratoriais.
A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) proclamou o ano de 2020 como o ano internacional da Saúde de Plantas.
Atualmente, há uma diminuição do número de fiscais federais agropecuários, fato que está impactando diretamente o número de amostras fiscais e, consequentemente, o negócio da empresa. O desafio é aumentar o consumo de diagnóstico fitossanitário pela agricultura brasileira e/ou aumentar o escopo, oferencendo serviços de detecção de pragas e outros organismos para outras áreas. Projetos, como o de selo de qualidade fitossanitária de mudas de algumas culturas, estão sendo propostos e testados, como forma alternativa ao sistema de certificação por órgão oficial.
A conclusão é que o Agronômica preenche os requisitos de ser um case de sustentabilidade tanto econômica como ambiental, mas a manutenção deste status, particularmente da sustentabilidade econômica, passará pela quebra da sua grande dependência de amostras recebidas devido à fiscalização de produtos agrícolas feitas pelo MAPA. As ações do planejamento estratégico dos últimos anos têm se concentrado neste sentido. 
O Agronômica agradece aos organizadores do 1º Simpósio em Fitotecnia pelo convite e parabeniza-os pelo sucesso do evento.

 


Veja mais notícias