Análise de nematoides: Investimento com retorno garantido!

23/05/2018


Rita, Fernanda, Nádia, Daiane, Tâmi e Marcella


Doutoras Fernanda e Rita, nematologistas...


Eng. Agr. Marcella, setor de apoio do Laboratório de Nematologia.


Eng. Agr. Marcella, setor de apoio do Laboratório de Nematologia.

O maior problema é aquele que ignoramos, pois quando o percebemos, normalmente já é tarde. Essa máxima se aplica aos nematoides fitopatogênicos – parasitas de plantas.
 
Como todos os parasitas, os nematoides fitopatogênicos causam danos, muitas vezes imperceptíveis, mas que, ao longo do tempo, se mostram a razão da queda de rendimento e inviabilidade econômica das culturas.
 
Ignorar esse problema ou não tratá-lo de forma eficiente traz prejuízos à plantação e aos negócios.
 
Para oferecer soluções cada vez mais eficazes contra esse problema, o Agronômica tem aumentado os investimentos na área de nematologia. Em 2017, foi inaugurado o novo laboratório de nematologia, com isolamento acústico, microscópios com captura de imagens, ambientes separados e climatizados para processamento e exame das amostras.
 
Mas nenhuma estrutura é útil sem pessoas talentosas atuando nela. O Agronômica possui uma equipe experiente, com conhecimento para identificar e quantificar praticamente todos os nematoides fitopatogênicos de importância agrícola.
 
Entre os profissionais do Agronômica que se dedicam à identificação desse problema estão a Eng. Agr. Fernanda Ferreira (doutora em nematologia pela Universidade Federal de Viçosa/MG) e a Dra. Rita Santin, bióloga, que trabalha há anos na identificação de nematoides através de morfologia e análise molecular. A Dra. Rita, a propósito, irá participar de um treinamento em junho próximo, na Holanda, sobre identificação de nematoides parasitas em plantas, ministrado pelo Professor Gerrit Karssen (que trabalha desde 1991 como taxonomista de nematoides na Organização Nacional de Proteção de Plantas daquele país). A equipe ainda conta com um grupo de apoio, liderado pela Eng. Agr. Marcella da Rocha, encarregada da preparação das amostras – etapa decisiva para a correta identificação dos parasitas.
 
Outra etapa importante para a identificação é a análise de DNA de nematoides – toda realizada pelo setor de biologia molecular do Agronômica utilizando técnicas avançadas como PCR, qPCR e LAMP.
 
Mas para o trabalho do laboratório ocorrer de forma precisa e eficiente, o cliente também tem um papel fundamental, pois é ele quem coleta e envia as amostras. O processo de coleta e envio é simples, porém alguns cuidados devem ser tomados e o seu passo-a-passo deve ser seguido com atenção.
 
Para submeter uma amostra de solo:
 
1. Colete 300 ml (g) de solo da zona da raiz. Caminhe em ziguezague na lavoura ou pomar, coletando o solo de diferentes locais. Considere misturar bem as amostras e submeter uma amostra composta;
 
2. Feche a amostra num saco plástico, de preferência com zíper, ou vede para não perder umidade. Não use embalagem de papel, pois rompem-se com a umidade do solo;
 
3. Evite deixar as amostras expostas diretamente ao sol e as mantenha refrigeradas se for demorar a enviá-las. Se possível, coloque-as em caixa de isopor;
 
4. Informe o tipo de cultura, histórico e qualquer outro dado do problema.
 
5. Envie a amostra o mais rápido possível.
 
Para submeter uma amostra de raízes ou parte aérea:
 
1. Inclua o material (raízes, hastes, folhas) de plantas sintomáticas diversas;
 
2. Coloque num saco plástico com zíper ou vede para não perder umidade;
 
3. Informe o tipo de cultura, histórico e qualquer outro dado do problema.
 
A análise de nematoides é um investimento tanto para a saúde das plantações quanto para a saúde dos negócios. Cuidados desse tipo sempre demonstram uma excelente relação custo x benefício.
 

 


Veja mais notícias