Colaborador do Agronômica defende dissertação de mestrado!

27/09/2019


Biól. Gabriel de Carvalho Guimarães defendeu a sua dissertação de mestrado nesta quinta-feira, 26/09/2019.


Pedúnculos (pseudofrutos) de uva-do-Japão, Hovenia dulcis, espécie exótica invasora, natural da China, Coréia e Japão.


Deslocamento de formigas Pheidole sp., subfamília Myrmicinae, família Formicidae, carregando partes do pseudofruto (pedúnculo) de uva-do-Japão.

O Biól. Gabriel de Carvalho Guimarães, CRBio 110879/03-D, Assistente de Entomologia | Setor de Entomologia/Acarologia do Agronômica, defendeu a sua dissertação de mestrado nesta quinta-feira, 26/09/2019, apresentando seu trabalho, intitulado "Dispersão de pseudofrutos não mirmecocóricos da espécie exótica invasora Hovenia dulcis Thumb. (Rhamnaceae) por formigas em área de Mata Atlântica, RS, Brasil", para a banca examinadora do Programa de Pós-Graduação em Avaliação de Impactos Ambientais da Universidade La Salle - UNILASALLE, para obtenção do titulo de Mestre em Avaliação de Impactos Ambientais. 
 
A banca examinadora foi constituída pelo Prof. Dr. Maurício Pereira Almerão (Orientador), Prof.ª Dr.ª Cristina Vargas Cademartoria (Universidade La Salle), Prof. Dr. Gabriel Selbach Hofmann (Universidade La Salle) e Prof. Dr. Willian Dröse (UFRGS).
 
O objetivo geral do trabalho foi avaliar o potencial de contribuição da fauna de formigas de serapilheira para a dispersão de sementes de uva-do-Japão, Hovenia dulcisEspécie Exótica Invasora, em uma unidade de conservação.
 
Esta espécie arbórea de origem asiática é conhecida popularmente na região Sul do  Brasil como uva-do-japão,  podendo ser comumente encontrada em praças, parques, ruas e também unidades de conservação. Uma vez estabelecida, essa espécie é capaz de trazer prejuízos a biodiversidade local por ocasionar a substituição de espécies nativas em virtude de suas adaptações e da sua alelopatia capaz de inibir o crescimento de outras especies de plantas.
 
O Gabriel identificou duas especies de formigas (Pachycondyla striata e Phridole sp.2) como potenciais agentes dispersores secundários de sementes da uva-do-japão. Estas duas espécies de formigas apresentaram o comportamento de remover o pseudofruto com sementes para o interior de seus respectivos ninhos. Uma vez dentro do ninho, essa semente pode acabar sendo beneficiada por fatores presentes no local, como a disponibilidade de nutrientes favoráveis à germinação e desenvolvimento da plântula. Outro ponto importante é que o transporte das sementes pode vir a beneficiar esta EEI, já que algumas sementes acabam sendo perdidas ou abandonadas pelas formigas, podendo germinar neste novo local. 
 
O Gabriel está de parabéns e o Agronômica orgulhoso de tê-lo na sua equipe!


Veja mais notícias