Treinamento para identificação de praga quarentenária ausente: Erwinia amylovora (Fogo Bacteriano das Pomáceas)

18/06/2019


Treinamento sobre Erwinia amylovora, no dia 11/jun/2019, na Unidade do Serviço de Sanidade Vegetal – SSV/DDA/SFA-MG, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Avenida Raja Gabaglia, 245 – Cidade Jardim, 30380-103, Belo Horizonte, MG.













O Agronômica, através do Eng. Agr. Ph.D. Valmir Duarte, deu treinamento para Auditores Fiscais Federais Agropecuários da Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais - SFA/MG, servidores do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), da Superintendência Federal de Agricultura no Estado de Goiás – SFA/GO, da Agência Goiana de Defesa Agropecuária – Agrodefesa, e outros agentes fiscais e de pesquisa, conforme lista abaixo. O evento ocorreu no dia 11/jun/2019, na Unidade do Serviço de Sanidade Vegetal – SSV/DDA/SFA-MG, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Avenida Raja Gabaglia, 245 – Cidade Jardim, 30380-103, Belo Horizonte, MG.

ASSUNTOS

Introdução. Este treinamento está dentro do Plano de Contingência do Fogo Bacteriano das Rosáceas (Erwinia amylovora), determinado pela Instrução Normativa No. 34, de 25 de agosto de 2016. A introdução recente desta praga em países como Portugal e Coréia do Sul mostra o risco para o Brasil. A instituição do Ano de 2020 como o Ano da Defesa Vegetal pela FAO aumenta a certeza de que a defesa vegetal é um caso de segurança alimentar, no seu conceito mais amplo. 
Sintomas. Os principais sintomas e sinais do Fogo Bacteriano foram apresentados e a necessidade do treinamento visual para inspeções de campo foi discutida.
Disseminação de Erwinia amylovora. Os principais meios de disseminação desta praga, ausente no Brail, foram apresentados. A importância das mudas, borbulhas e outras formas de dispersão foi enfatizada.
Hospedeiros. O grande número de plantas hospedeiras está praticamente restrito a membros da família das rosáceas, incluindo morango e várias ornamentais.
Métodos de determinação de Erwinia amylovora. A partir do reconhecimento dos sintomas a campo, a análise no laboratório envolve técnicas sorológicas, bioquímicas, fisiológicas (inoculação de frutos), moleculares, que dão certeza sobre a identidade da praga. A possibilidade do uso do nariz eletrônico nas inspeções de campo, aeroportos e portos foi discutida.
Caso da suspeita de fogo bacteriano no Brasil. Apresentou-se a etiologia de cancro em macieira e pereira, onde havia - suspeita de fogo bacteriano (Erwinia amylovora), indicando os testes realizados e ilustrando as ferramentas de identificação. O artigo, publicado em 2019, onde evidências de se tratar de Dickeya dadantii são apresentados (imagem acima).

Análise de risco de Erwinia amylovora. Discutiu-se a polêmica sobre o risco de importar Ea em frutos de macieira comercial e o risco concomitante de estabelecer novos focos de Fogo Bacteriano em novas áreas, regiões, países. 

Coleta de amostras. A importância da qualidade da amostra a ser enviada para o laboratório, as informações que devem acompanhar a amostra, o acondicionamento, fotos, localização da coleta, condições particulares do local onde foi coletada, e outros fatores foram discutidos.

PARTICIPANTES

Agência Goiana de Defesa Agropecuária – AGRODEFESA

1. Juracy Rocha Braga Filho

EMBRAPA Tabuleiros Costeiros (Aracaju, SE) 

2. Viviane Talamini

EMDADRO - Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe
 
3. Eliane Passos Santana

Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA)

4. Afrânio Augusto Gadelha (Oliveira)

5. Felipe Pires de Almeida (Janaúba)

6. Fernando Luiz Gonçalves de Oliveira (Poços de Caldas)

7. Heitor Schiavon Cougo (Varginha)

8. Jaeder Lopes Vieira (Teófilo Otoni)

9. Jandir Francisco de Andrade (Uberlândia)

10. Jeferson Paes dos Santos (Juiz de Fora)

11. José Fernando Milagres (Viçosa)

12. Leila Gonçalves Guimarães (Almenara)

13. Leonardo Henrique Martins do Carmo (Gerência de Defesa Sanitária Vegetal)

14. Lucélia Vasconcelos Padinelli (Belo Horizonte)

15. Maria Eunice Assis Castro (Gerência de Defesa Sanitária Vegetal)

16. Miria Izabel (Gerência de Defesa Sanitária Vegetal)

17. Orozimbo Assis Pereira (Curvelo)

18. Polliana Campanha Souza (Governador Valadares)

19. Simone Barbosa Marcelino (Laboratório De Diagnóstico Fitossanitário)

20. Wagner Brant Monteiro (Montes Claros)

21. Walter Luiz Schimidt Modesto (Pouso Alegre)

Superintendência Federal de Agricultura no Estado de Goiás – SFA/GO

22. Claudini Vieira Deboni Caixeta

Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais - SFA/MG

23. Augusto Carlos dos Santos Pinto

24. Emanuel Novaes Vasconcelos

25. Eugênio Pacelli Ladeira Fortunato (UTRA* Teófilo Otoni)

26. Evellyn Couto Oliveira Resende (UTRA Uberlândia)

27. Fábio Lopes da Cruz (UTRA Montes Claros)

28. Glauco Antonio Teixeira (LANAGRO)

29. Gilvio Westin Cosenza

30. Marcondes Alves de Resende

31. Paulo Alves Resende

32. Paulo Parizzi (UTRA Viçosa)

33. Peter Alex Honzak

34. Ricardo Pisani Cunali (REDEX** Guaxupé)

35. Rodrigo Fleury Curado (UTRA Lavras)

36. Vaudeir Gregório Alves

*UTRA (Unidade Técnica Regional de Agricultura, Pecuária e Abastecimento)

**Redex (Recinto Especial para Despacho Aduaneiro de Exportação) 

Referências

Food and Agriculture Organization of the United Nations, 2018. IPPC Annual Report 2017: International Plant Protection Convention, Food & Agriculture Org.
 
Martins, O.M.M. & de Oliveira OLIVEIRA, M.R.V., 2007. Subsídios técnicos para a elaboração de plano de contingência: Erwinia amylovora, Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.
 
Momol, M.T. et al., 2004. Discrimination of Plant Pathogenic Bacteria Using an Electronic Nose. Plant health progress, 5(1), p.21.
 
Myung, I.-S. et al., 2016. Fire Blight of Apple, Caused by Erwinia amylovora, a New Disease in Korea. Plant disease, 100(8), pp.1774–1774.
 
Ogoshi, C. et al., 2019. First report of Dickeya dadantii causing a new disease of apple trees in Brazil. New disease reports, 39, p.8.
 
on Plant Health (PLH), E.P., 2014. Scientific Opinion on the pest categorisation of Erwinia amylovora (Burr.) Winsl. et al. EFSA Journal, 12(12), p.3922.
 
Silva, M.C.A. & Luz, J.P., 2012. O fogo bacteriano. Agroforum: revista da Escola Superior Agrária de Castelo Branco. Available at: http://repositorio.ipcb.pt/handle/10400.11/1749.
 


Veja mais notícias