Glandulária: Flores minúsculas, lilás a roxas, em inflorescências nos gramados...
10/11/2020

Ver ampliada

Inflorescências (1,4-2,5x1,5-3,7 cm), espigas multifloras, umbeliformes na antese, com raque alongada na frutificação até 7 cm, de Glandularia selloi (Spreng.) Tronc. em gramado de praça (30°05'36.7"S 51°12'03.7"W) no Morro São Caetano, Teresópolis, Porto Alegre, RS, 05.out.2020.


Ver ampliada

Inflorescências de Glandularia selloi (Spreng.) Tronc. em gramado de praça (30°05'36.7"S 51°12'03.7"W) no Morro São Caetano, Teresópolis, Porto Alegre, RS, 05.out.2020.


Ver ampliada

Glandularia selloi (Spreng.) Tronc., erva rasteira, prostada, com 15-92 cm de comprimento, folhas verde-escuras, em gramado de praça (30°05'36.7"S 51°12'03.7"W) no Morro São Caetano, Teresópolis, Porto Alegre, RS, 05.out.2020.

Caule pubescente a estrigoso, com tricomas tectores retrorsos; entrenós 0,3-9,5 cm comprimento. Folhas pinatissectas, 3 a 5 lobos divididos em 2 ou mais segmentos oblongos ou obovados; lâmina 0,7-4,5x0,6-3,7 cm, decurrente no pecíolo; face adaxial estrigosa, com tricomas tectores bem distribuídos, face abaxial estrigosa, com tricomas tectores principalmente sobre as nervuras, com ou sem tricomas glandulares subsésseis; pecíolo 0,1-1 cm comprimento.


Ver ampliada

Inflorescência de Glandularia selloi (Spreng.) Tronc. em gramado de praça (30°05'36.7"S 51°12'03.7"W) no Morro São Caetano, Teresópolis, Porto Alegre, RS, 05.out.2020.


Ver ampliada

Inflorescências de Glandularia selloi (Spreng.) Tronc. em gramado de praça (30°05'36.7"S 51°12'03.7"W) no Morro São Caetano, Teresópolis, Porto Alegre, RS, 05.out.2020.


Ver ampliada

Inflorescências de Glandularia selloi (Spreng.) Tronc. em gramado (29°22'15.5"S 50°49'08.9"W, -29.370969, -50.819125) no Quinta da Serra, Bairro Santa Terezinha, Canela, RS, 08.nov.2020.


Ver ampliada

Inflorescências de Glandularia selloi (Spreng.) Tronc. em gramado (29°22'16.0"S 50°49'08.7"W) no Quinta da Serra, Bairro Santa Terezinha, Canela, RS, 08.nov.2020.


Ver ampliada

Inflorescências de Glandularia selloi (Spreng.) Tronc. em gramado na calçada da Rua da Tainha, Bellatorres, Passo de Torres, SC, 24.out.2014.


Ver ampliada

Inflorescências de Glandularia selloi (Spreng.) Tronc. em gramado (29°22'15.0"S 50°49'10.1"W) no Quinta da Serra, Bairro Santa Terezinha, Canela, RS, 20 nov.2020.



Inflorescências de flores lilás a roxas podem ser encontradas na primavera em campos e gramados de praças. Chama a atenção a ocorrência localizada, dando uma beleza distinta no verde dos gramados. As flores são miúdas e a inflorescência na forma de um bouquet. Enviamos as fotos para a Profa. Dra. Elisabeth Tempel Stumpf,  do Instituto Federal Sul Rio-Grandense, IFSul Campus Pelotas - Visconde da Graça, e ela informou que tudo indica se tratar da espécie Glandularia selloi.

Glandularia selloi (Spreng.) Tronc., (sin. Verbena selloi), família: Verbenaceae. O gênero Glandularia possui cerca de 80 espécies distribuídas nas regiões subtropicais e temperadas da América do Sul e América do Norte. As diferenças entre os gêneros Glandularia e Verbena podem ser encontrados na bibliografia, assim com uma chave para identificação das espécies de Glandularia no estado do Rio Grande do Sul (Thode & Mentz, 2010; O’Leary & Thode 2016). 

Pode crescer isolada ou em populações. É encontrada nos campos, terrenos arenosos, úmidos, turfeiras, áreas degradadas e beiras de estrada. É bastante semelhante a G. tenera, da qual difere por possuir tricomas retrorsos no pedúnculo e corola pilosa externamente. Floresce e frutifica de setembro a abril (Thode & Mentz, 2010).

Por ser uma erva rasteira e rústica, com inflorescência vistosa e floração abundante, aromática, a glandulária é indicada como forração em canteiros ou para o cultivo em vasos e floreiras a pleno sol (Stumpf, 2009).

A presença de quatro compostos foram identificados nos tecidos: verbascosídeo, crisoeriol diglicosilado e diacetilado, crisoeriol diglicosilado e monoacetilado e 6-OH-β-ipolamida. Os extratos metanólicos de raízes, caules, folhas e inflorescência mostraram efeito citotóxico (tóxico a células) (Comerlato,  2014; Figueiró et al., 2016).

Referências:

Comerlato, Luana Christine. 2014. Perfil químico de Glandularia selloi (Spreng.) Tronc. (Verbenaceae) de ocorrência no Rio Grande do Sul. Dissertação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Farmácia. Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas.

Figueiró, L. R.; Comerlato, L. C.; Da Silva, M. V.; Zuanazzi, J.  . S.; Von Poser, G. L.; Ziulkoski, A. L. 2016. Toxicity of Glandularia selloi (Spreng.) Tronc. leave extract by MTT and neutral red assays: influence of the test medium procedure. Interdiscip. Toxicol. 9:25–29 Available at: http://dx.doi.org/10.1515/intox-2016-0004.

O’Leary, N.; Thode, V. 2016. The Genus Glandularia (Verbenaceae) in Brazil1. mobt. 101:699–749. Disponível em: https://bioone.org/journals/Annals-of-the-Missouri-Botanical-Garden/volume-101/issue-4/2014008/The-Genus-Glandularia-Verbenaceae-in-Brazil1/10.3417/2014008.short. Acesso em: 10 nov.2020.

Stumpf, Elisabeth Regina Tempel. 2009. Cores E Formas No Bioma Pampa: Plantas Ornamentais Nativas. Embrapa Clima Temperado. Disponível em: http://www.fzb.rs.gov.br/upload/20160607121021rsbiodiversidade_livro_ornamentais.pdf. Acesso em: 10 nov.2020.

Thode, Verônica Aydos, & Mentz, Lilian Auler. (2010). O gênero Glandularia J.F. Gmel. (Verbenaceae) no Rio Grande do Sul, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 24(2), 529-557. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062010000200023

*******

How to cite: Duarte, V. Glandulária: Flores minúsculas, lilás a roxas, em inflorescências nos gramados...Agriporticus. Disponível em: http://www.agronomicabr.com.br/agriporticus/detalhe.aspx?id=924. Acesso em: 10 nov.2020. Atualizado em: 20 nov. 2020 (Atualize a data de acesso.)

Qualquer correção ou observação, contate-nos: valmir@agronomicabr.com.br

Nova busca

Sobreo projeto

O AgriPorticus é uma iniciativa do Agronômica visando compartilhar os registros de ocorrências de pragas e doenças, disponibilizando imagens que auxiliem o seu reconhecimento por extensionistas e agricultores no campo.
Visite o site para maiores informações: www.agronomicabr.com.br