Amoreira (Morus nigra) no ano internacional da saúde de plantas!
01/10/2020

Ver ampliada


Ver ampliada


Ver ampliada


Ver ampliada

As folhas de Amora-preta (Morus nigra L.) são serrilhadas, com coloração verde escura na face abaxial e verde claro na face adaxial, flexível e membranácea. Setembro, 2020, Argentina.


Ver ampliada


Ver ampliada


Ver ampliada


Ver ampliada


Ver ampliada

Os frutos de Amora-preta (Morus nigra L.) são pretos ou avermelhados brilhantes.



Entre São Borja (Brasil) e Santo Tomé (Argentina), cruzando o Rio Uruguai, portanto, na Argentina, se encontra a MERCOVIA - Centro Unificado de Frontera Santo Tome - São Borja, onde fica localizada a Filial São Borja do Agronômica, tendo nas proximidades esta amoreira (Morus nigra L.) carregada de frutos. 

No Ano Internacional da Saúde de Plantas, cabe valorizá-las pela sombra, frutos, efeitos medicinais, oxigênio e tudo o mais. Toda a vida no planeta Terra depende delas.

O nome Morus deriva do grego moréa, que vem do céltico mor, que significa preto, aludindo à cor do fruto; o epíteto específico nigra vem do latim, que significa preto, no qual, se refere à cor das amoras-pretas dessa espécie. Também conhecida como mora negra (esp.) moral, amora preta (cast.);  morer de mores (cat.); marguza, martusera, martuts, marugatze beltza (Eusk.); moreira negra, amoreira negra (Gal.); amoreira-preta, amora-da-horta (Port) (ARBOLAPP CANÁRIAS (CSIC / FECYT); Black mulberry (Ing.); hei sang, yao-sang, shanxiguosang, luoyu hao. (TROPICOS, 2020; SONG, 2009) 

SINONÍMIA: Morus atrata Raf.; Morus cretica Raf.; Morus laciniata Raf.; Morus petiolaris Rad.

O gênero Morus (Moraceae) possui cerca de 24 espécies e uma subespécie, com pelo menos 100 variedades conhecidas. Está presente em regiões temperadas e subtropicais (ERCISLI & ORHAN, 2007).  Algumas espécies de Morus são amplamente cultivadas em muitos países, como China e Japão, onde suas folhas servem como alimento para o bicho-da-seda (Bombyx mori L.) (NOMURA, 1988). 

Morus nigra (Moraceae) é originária da Ásia, tendo seu maior desenvolvimento na Ásia Menor e estando plenamente aclimatizada no Brasil (CRUZ, 1979). A planta foi trazida para o Brasil por imigrantes japoneses, adaptando-se bem às condições de clima e solo (OLIVEIRA et.al, 2013). Apresenta alta capacidade de adaptação a diferentes climas e altitudes, M. nigra, portanto, pode ser considerada uma espécie cosmopolita (YIGIT et al., 2010). Essa espécie também tem sido muito difundida na China, Paquistão, Irã e Afeganistão (MALIK MNH et al., 2012). Entretanto, em países europeus, como Turquia e Grécia, as amoreiras são cultivadas para a produção de frutos em vez de produção de folhagem. O cultivo dessa planta na Turquia é conhecido há mais de 400 anos (ERCISLI & ORHAN, 2007). 

 No Brasil, a espécie Morus nigra L. é conhecida popularmente como: amora, amoreira, amoreira preta, amoreira negra e sarça mora (SOUZA, 2000).  Na região do Vale do São Francisco - Brasil, essa espécie é conhecida popularmente como “amora-miúra”, e o chá das folhas (decocto) são utilizadas para o tratamento de diabetes, colesterol, problemas cardiovasculares, obesidade e gota (OLIVEIRA et.al, 2013). 

Também tem sido usada como analgésico, diurético, antitussígeno, sedativo, ansiolítico e hipotensor, e no tratamento de doenças inflamatórias (NOMURA & HANO,1994).

MORFOLOGIA

A árvore pode atingir de 5 a 20m de altura. As folhas apresentaram o limbo simples, com coloração verde escuro na face ventral e coloração verde claro na face dorsal, flexível e membranácea. Em média, as folhas atingem 16,0 x 8,0 cm. A margem é serrilhada, apresentando base arredondada e ápice acuminado.  Os frutos são pretos ou avermelhados brilhante, de sabor agridoce, suculento e refrescantes (MORGAN, 1982). 

MEDICINA

As partes vegetais de maior interesse farmacológico são as folhas e os frutos. Os extratos dos frutos de Morus nigra têm uma ação protetora contra o dano peroxidativo de biomembranas e biomoléculas. NADERI et al. (2004).

FOLHAS

Na medicina popular as folhas da amoreira-preta têm sido indicadas para mulheres durante a menopausa (FRANZOTTI et al., 2004). Há informações do uso da planta para substituir a terapêutica da reposição hormonal convencional (PADILHA et al., 2010).

As folhas são usadas em gargarejos, para combater aftas e amigdalite, febre e à dor de dente (SILVA, 2007; MIRANDA. 2010), também, utilizadas no tratamento de febre, dor de cabeça, beribéri, vômitos e dor estomacal causada pelo agente da cólera (JIANG, 1977), ajuda na purificação do sangue, reduz a febre e é diurética. Seus extratos são conhecidos por terem atividade antibacteriana e fungicida (MAZIMBA, 2011).

FRUTOS

Os frutos são utilizados para doenças hepáticas e renais JIANG, 1977). Podem ser consumidas em forma in natura, em forma de marmeladas, sucos e licores. Também, servem na produção de corantes naturais e na indústria de cosméticos (ERCISLI & ORHAN, 2007).

RAMOS

Os ramos jovens da árvore são usados para o tratamento de hipertensão e paralisia de braços e pernas (JIANG, 1977).

CASCA

A decocção da casca da raiz tem efeito purgativo e vermífugo (SILVA, 2007; MIRANDA, 2010).

RAÍZES

 As raízes são utilizadas no tratamento de hipertensão arterial, reumatismo, problemas oculares e espasmos infantis. (JIANG, 1977).

OUTROS PAÍSES:

Na medicina chinesa a planta é usada para o tratamento de artrite, diabetes e reumatismo (IGBAL et al., 2012), também como anti-hipertensiva, antienvelhecimento e anti-inflamatória (HU X et al., 2011). Na Europa, as folhas dessa espécie têm sido usadas para estimular a produção de insulina no tratamento do diabetes. O efeito hipoglicemiante das folhas é similar à atividade antidiabética da glibenclamida em pacientes com diabetes mellitus tipo 2 (VOLPATO, 2011); no tratamento de inflamação, coagulante do sangue, dor de dente, e como antídoto para picadas de cobra NADERI et al. (2004). Na Turquia os frutos são usados para tratar febre, como hepatoprotetor, diurético e para baixar a pressão sanguínea. Mais de 400 anos a planta é conhecida na Turquia (ERCISLI et al., 2010).

OUTRAS INFORMAÇÕES:

Como não existem estudos sobre a segurança reprodutiva em humanos, o uso de Morus nigra não é recomendado em mulheres grávidas ou em período de lactação, ou ainda em crianças e idosos sem supervisão médica (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2015).

Mancha foliar causada pelo fungo Cylindrosporium mori (Lév.) Berl. 1896 é uma doença comum nesta e outras espécies (Agriporticus).

Referências

ARBOLAPP CANÁRIAS (CSIC / FECYT), Disponível em: http://www.arbolappcanarias.es/especies/ficha/morus-nigra/. Acesso em: 29 set.2020.

ALBERTASSE PD, THOMAZ LD, ANDRADE MA. Medicinal plants and their uses in Barra do Jucu community, Vila Velha Municipality, Espírito Santo State, Brazil. Rev. Bras. Pl. Med. 2010;12(3):250-60.

CRUZ GL 1979. Dicionário de plantas úteis no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 599 p.

ERCISLI, S. & ORHAN, E. Chemical composition of white (Morus alba), red (Morus rubra) and black (Morus nigra) mulberry fruits. Food Chemistry, v.103, p.1380-1384, 2007.

ERCISLI S, TOSUN M, DURALIJA B, VOCA S, SENGUL M, TURAN M. Phytochemical content of some black (Morus nigra L.) and purple (Morus rubra L.) Mulberry Genotypes. Food Technol. Biotechnol. 2010;48(1):102-6.

JIANG SU XIN YI XUE YUAN 1977. (New Jiang-Su Medical School working party), Zhong Yao Da Ci Dian (Encyclopaedia of Chinese crude drugs), Shangai: Shanghai Ke Xue Ji Shu Chu Ban She (Shanghai Science and techonology Publisher).

MALIK MNH et. al., 2012. Phytochemical analysis and cardiac depressant activity of aqueous methanolic extract of Morus nigra L. fruit. J. Appl. Pharm. Sci. 2(12):39-41.

MAZIMBA O, MAJINDA RRT, MOTLHANKA D. Antioxidant and antibacterial constituents from Morus nigra. Afr. J. Pharm. Pharmacol. 2011;5(6):751-54.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. (Org.) Monografia da espécie Morus nigra L. (Amoreira). Organização: Ministério da Saúde e Anvisa Fonte do recurso: Ação 20K5 (DAF/SCTIE/MS) / 2013. Brasília, 2015.

MIRANDA MA, VIEIRA GV, ALVES MS, YAMAMOTO CH, PINHO JJRG, SOUSA OV. Uso etnomedicinal do chá de Morus nigra L. no tratamento dos sintomas do climatério de mulheres de Muriaé, Minas Gerais, Brasil. HU Revista. 2010;36(1):61-8.

MORGAN, R 1982. Enciclopédia das ervas e Plantas Medicinais.São Paulo: Hemus editora. 555 p.

NADERI GA, ASGARY S, SARRAF-ZADEGAN N, OROOJY H, AFSHIN-NIA F. Antioxidant activity of three extracts of Morus nigra. Phytother. Res. 2004;18(5):365-69.

NOMURA T 1988. Phenolic compounds of the mulberry tree and related plants. In: Herz W, Grisebach H, Kiurby GW, Tamm Ch, eds. Progress in the chemistry of organic natural products 53. Vienna: Springer Publishing. p. 87.

NOMURA, T,; HANO, Y. Isoprenoid-substituted phenolic compounds of moraceous plants. Natural Products Reports, v.11, p.205-218, 1994.

OLIVEIRA ACB, OLIVEIRA AP, GUIMARÃES AL, OLIVEIRA RA, SILVA FS, REIS SAGB, RIBEIRO LAA, ALMEIDA JRGS. Avaliação toxicológica pré-clínica do chá das folhas de Morus nigra L. (Moraceae). Rev. Bras. Pl. Med. 2013;15(2):244-49.

PADILHA MM, MOREIRA LQ, MORAIS FF, ARAÚJO TH, ALVES-DA-SILVA, GE. Estudo farmacobotânico das folhas de amoreira-preta, Morus nigra L., Moraceae. Rev. Bras. Farmacogn. 2010;20(4):621-26.

QUEIROZ GT, SANTOS TR, MACEDO R, PETERS VM, LEITE MN, SÁ RCS, GUERRA MO. Efficacy of Morus nigra L. on reproduction in female Wistar rats. Food Chem Toxicol. 2012;50(3-4):816-22.

SILVA IO, SANTOS IC, PETERS VM, FARIA RE, ANDRADE ATL. Avaliação do potencial estrogênico de Morus sp. em ratas wistar: estudo histológico e histomorfométrico. Revista Centro de Biologia da Reprodução. 2007;26(1/2):19-23. 

TROPICOS.ORG. Missouri Botanical Garden. 4344 Shaw Boulevard - Saint Louis, Missouri 63110. Disponível em: http://www.tropicos.org/Name/21300470. Acesso em: 28 set.2020.

SOUZA, MM, BITTAR M, CECHINEL-FILHO V, YUNES RA, MESSANA I, DELLE MONACHE F, FERRARI F. Antinociceptive properties of morusin, a prenylflavonoid isolated from Morus nigra root bark. Z Naturforsch C 2000;55c:256-60.

VOLPATO GT, CALDERON IM, SINZATO S, CAMPOS KE, RUDGE MV, DAMASCENO DC. Effect of Morus nigra aqueous extract treatment on the maternal-fetal outcome, oxidative stress status and lipid profile of streptozotocin-induced diabetic rats. J. Ethnopharmacol. 2011;138(3):691-96.

YIGIT D, AKAR F, BAYDAS E, BUYUKYILDIZ M. Elemental composition of various mulberry species. Asian J. Chem. 2010;22(5):3554-60.

*******

How to cite: Marchetti, M. M. Amoreira (Morus nigra) no ano internacional da saúde de plantas!. Agriporticus. Disponível em: <http://www.agronomicabr.com.br/agriporticus/detalhe.aspx?id=921>. Acesso em: 01 out.2020. (Atualize a data de acesso.)

Nova busca

Sobreo projeto

O AgriPorticus é uma iniciativa do Agronômica visando compartilhar os registros de ocorrências de pragas e doenças, disponibilizando imagens que auxiliem o seu reconhecimento por extensionistas e agricultores no campo.
Visite o site para maiores informações: www.agronomicabr.com.br