Coração-Negro da Batata / Blackheart of Potato
13/08/2021

Ver ampliada

Figura 1. Coração-negro em tubérculo adquirido no mercado local de Porto Alegre, mostrando crescimento bacteriano, mas secundário, não induzindo podridão-mole ou mau cheiro.


Ver ampliada

Figura 2. Coração-negro em tubérculo adquirido no mercado local de Porto Alegre, mostrando crescimento bacteriano, mas secundário, não induzindo podridão-mole ou mau cheiro.



Tubérculo, adquirido no comércio de Porto Alegre, com tecido negro, bem delineado, de padrão irregular, que permanece bastante firme e que contêm cavidade cujas paredes não são, como no caso do coração-oco, recobertas por tecido corticóide. O pigmento responsável pela cor preta é o mesmo responsável pelo enegrecimento interno: a melanina. Não tem mau cheiro como as podridões causadas por pectobactérias. Este sintoma somente é percebido quando o tubérculo é cortado. 

Considerado um defeito grave na classificação, pois inviabiliza o consumo e a comercialização do produto (FAEP, 2021).

O coração-negro é uma doença fisiológica, causada por falta de oxigênio ou excesso de CO2 no ar circundante, o que cria um ambiente asfixiante. Pode se desenvolver durante a colheita, o armazenamento ou em trânsito, dentro de caminhões, por exemplo.

De um modo geral, a falta de oxigênio no armazenamento ocorre nos seguintes casos:

- A alta temperatura (8 a 10 °C) em um ambiente hermético sem renovação de ar por um longo período;

- Baixas temperaturas (abaixo de 2 °C) em um ambiente hermético (por exemplo, câmara fria) sem possibilidade de renovação automática do ar;

- Tubérculos sendo aquecidos, antes do manuseio, por geradores de ar quente colocados no interior do ambiente sem renovação do ar nocivo;

- Aumento da temperatura do ar a um nível muito alto em comparação com a temperatura dos tubérculos armazenados.

Referências

FAEP. 2021. Hortiqualidade - Cartilhas de Classificação - Hortaliças. Sistema FAEP. Disponível em: http://www.faep.com.br/comissoes/frutas/cartilhas/hortalicas/batata.htm. Acesso em: 13.ago.2021.

Kiaitsi, E. 2015. Physiological and biochemical changes in potato stocks with different susceptibility to blackheart disorder. Disponível em: https://dspace.lib.cranfield.ac.uk/handle/1826/9617. Acesso em: 13.ago.2021.

Kiaitsi, E.; Tosetti, R. & Terry, L. A. 2020. Susceptibility to blackheart disorder in potato tubers is influenced by sugar and phenolic profile. Postharvest Biol. Technol. 162:111094 Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0925521419310452.

Reeve, R. M. 1968. Further histological comparisons of black spot, physiological internal necrosis, black heart, and hollow heart in potatoes. Am. Potato J. 45:391–401 Disponível em: https://doi.org/10.1007/BF02849718.

Tian, F.; Peng, Y. & Wei, W. 2016. Nondestructive and rapid detection of potato black heart based on machine vision technology. Sensing for Agriculture and Food Quality and Safety VIII. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1117/12.2223292.

Tian, F.; Peng, Y.; Wei, W.; Zheng, X. & Wang, W. 2017. Design and experiment of detection mechanism for potato blackheart based on machine vision. Trans. Chin. Soc. Agric. Eng./Nongye Gongcheng Xuebao. 33:287–294 Disponível em: https://www.ingentaconnect.com/content/tcsae/tcsae/2017/00000033/00000005/art00041.

Zhou, Z.; Li, X.; Gao, H.; Tao, H. & Li, P. 2012. Comparison of diffuse reflection and transmission mode of visible/near infrared spectroscopy for detecting black heart of potato. Trans. Chin. Soc. Agric. Eng./Nongye Gongcheng Xuebao. 28:237–242 Disponível em: https://www.ingentaconnect.com/content/tcsae/tcsae/2012/00000028/00000011/art00038.

*******

How to cite: Teló, P. S.; Duarte, V.  Coração-Negro da Batata / Blackheart of Potato. Agriporticus. Disponível em: http://www.agronomicabr.com.br/agriporticus/detalhe.aspx?id=2004. Acesso em: 13.ago.2021 (Atualize a data de acesso.)

Nova busca

Sobreo projeto

O AgriPorticus é uma iniciativa do Agronômica visando compartilhar os registros de ocorrências de pragas e doenças, disponibilizando imagens que auxiliem o seu reconhecimento por extensionistas e agricultores no campo.
Visite o site para maiores informações: www.agronomicabr.com.br