Amanita muscaria em Garibaldi, RS
01/06/2021

Ver ampliada

Figura 1. Espécime de Amanita muscaria, encontrado no solo, embaixo de Pinus, em Garibaldi, RS, 30 de maio de 2021. Volva, estipe, anel, píleo com a superfície amarela pálida a laranja avermelhada ou escarlate, salpicada com verrugas ou excrescências brancas.


Ver ampliada

Figura 2. Espécime de Amanita muscaria, encontrado no solo, embaixo de Pinus, em Garibaldi, RS, 30 de maio de 2021. Volva, estipe, anel, píleo com a superfície amarela pálida a laranja avermelhada ou escarlate, salpicada com verrugas ou excrescências brancas.



Espécime de Amanita muscaria, da ordem Agaricales, classe Homobasidiomycetes e família Amanitaceae, encontrado no solo, embaixo de Pinus, em Garibaldi, RS, 29°15'38.0"S 51°29'46.2"W, 30 de maio de 2021. Este cogumelo também é conhecido como “agário das moscas” porque o seu suco atordoa as moscas por ele atraídas.

Conhecido desde a antiguidade pelas suas propriedades alucinógenas, A, muscaria era muito utilizado em rituais religiosos.

Dois alucinógenos muito muito similares, o muscimol e o ácido ibotênico são encontrados no A. muscaria; ambos estimulam os receptores do neurotransmissor GABA no sistema nervoso central. Os primeiros efeitos do cogumelo Amanita são desorientação, falta de coordenação e sono, enquanto que os efeitos posteriores incluem euforia intensa, distorção da noção de tempo, alucinações visuais intensas e alterações de humor que podem incluir fúria. No caso de doses altas podem ocorrer efeitos tóxicos.

O cogumelo A. muscaria em si é menos tóxico do que outros do gênero Amanita, que são altamente venenosos e até letais.

Morfologicamente, este fungo é um bom exemplo de Agaricales. Apresenta volva, estipe, anel, píleo, escamas residuais do velum e lâminas bem desenvolvidas na face inferior do píleo. Seu basidiocarpo, bem desenvolvido, pode atingir mais de 20 cm de altura e até 20 cm de diâmetro de píleo ou chapéu.

Referências

Amanita muscaria. 2014. Viva Mais. Disponível em: https://vivamais.cecom.unicamp.br/amanita-muscaria/. Acesso em: 1.jun.2021.

Figueiredo, M. B.; Carvalho Junior, A. A.; Coutinho, L. N. & Fosco-Mucci, E. S. 2006. Amanita muscaria - cogumelo de aparência atrativa, mas tóxico. Instituto Biológico do Estado de São Paulo. Disponível em: http://www.biologico.sp.gov.br/publicacoes/comunicados-documentos-tecnicos/comunicados-tecnicos/amanita-muscaria---cogumelo-de-aparencia-atrativa-mas-toxico. Acesso em: 1.junho.2021.

Geml, J.; Laursen, G. A.; O’neill, K.; Nusbaum, H. C. & Taylor, D. L. 2006. Beringian origins and cryptic speciation events in the fly agaric (Amanita muscaria). Mol. Ecol. 15:225–239 Disponível em: http://dx.doi.org/10.1111/j.1365-294X.2005.02799.x.

Lowy, B. 1974. Amanita muscaria and the thunderbolt legend in Guatemala and Mexico. Mycologia. 66:188–191 Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/4856561.

Michelot, D. & Melendez-Howell, L. M. 2003. Amanita muscaria: chemistry, biology, toxicology, and ethnomycology. Mycol. Res. 107:131–146 Disponível em: http://dx.doi.org/10.1017/s0953756203007305.

Musso, H. 1979. The pigments of fly agaric, Amanita muscaria. Tetrahedron. 35:2843–2853 Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0040402001994980.

Rampolli, F. I.; Kamler, P.; Carnevale Carlino, C. & Bedussi, F. 2021. The Deceptive Mushroom: Accidental Amanita muscaria Poisoning. Eur J Case Rep Intern Med. 8:002212 Disponível em: http://dx.doi.org/10.12890/2021_002212.

Taylor, J.; Holzbauer, S.; Wanduragala, D.; Ivaskovic, A.; Spinosa, R.; Smith, K.; et al. 2019. Notes from the Field: Acute Intoxications from Consumption of Amanita muscaria Mushrooms - Minnesota, 2018. MMWR Morb. Mortal. Wkly. Rep. 68:483–484 Disponível em: http://dx.doi.org/10.15585/mmwr.mm6821a4.

Vendramin, A. & Brvar, M. 2014. Amanita muscaria and Amanita pantherina poisoning: two syndromes. Toxicon. 90:269–272 Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.toxicon.2014.08.067.

*******

How to cite: Schaffer, Marcos H. & Schaffer, Naihana. Amanita muscaria em Garibaldi, RS. Agriporticus. Disponível em: http://www.agronomicabr.com.br/agriporticus/detalhe.aspx?id=1984. Acesso em: 01.junho.2021 (Atualize a data de acesso.)


Nova busca

Sobreo projeto

O AgriPorticus é uma iniciativa do Agronômica visando compartilhar os registros de ocorrências de pragas e doenças, disponibilizando imagens que auxiliem o seu reconhecimento por extensionistas e agricultores no campo.
Visite o site para maiores informações: www.agronomicabr.com.br