Acanthoscelides obsoletus: Restrição fitossanitária para exportação de feijão para o Japão
27/03/2021

Ver ampliada

Figura 1. Feijão (Phaseolus vulgaris L.) variedade preta (Protocolo 174380, Amostra 6674) e variedade branca (Amostra 6675) triados para a praga de restrição para exportação para o Japão: Acanthoscelides obsoletus  (Say, 1831) (Coleoptera: Bruchidae) 



Acanthoscelides obsoletus (1, 2, 3, 4, 5), caruncho (inglês: American Seed Beetle): Restrição fitossanitária para exportação de feijão para o Japão. O seu tamanho — comprimento do corpo 2,1–2,9 mm; largura 1,4–1,9 mm — facilita o trabalho de triagem, mas a possibilidade de estar dentro do grão precisa ser considerada.

Feijão é o nome genérico para um grande grupo de plantas da família das leguminosas (Fabaceaes), que tem como característica marcante a ocorrência do fruto do tipo legume, também conhecido como vagem. Na alimentação, o feijão é rico em nutrientes essenciais como proteínas, ferro, cálcio, vitaminas (principalmente do complexo B), carboidratos e fibras (Ferreira & Almeida, 2012).

Embora esse alimento seja conhecido pelo nome comum de feijão, nem todas as plantas são da mesma espécie. Entre a família das leguminosas, as principais espécies de feijão cultivadas no Brasil são Phaseolus vulgaris – feijão comum do grupo carioca, do preto ou do especial; Vigna unguiculata – também conhecido como feijão-caupi, vigna, feijão-da-colônia, feijão-da-estrada ou feijão-de-corda; e o Cajanus cajan – feijão-guandu, andu ou ervilha-de-pombo (Ferreira & Almeida, 2012).

O feijão não é um produto homogêneo, se diferenciando pela cor, tamanho do grão e sabor. O Sistema Harmonizado-20173 (SH) de classificação de mercadorias no comércio exterior, adotado por mais de 200 países, que correspondem a 98% do comércio total do mundo, apresenta seis tipos de feijão.

Referências

Brasil. Ministério das Relações Exteriores. Divisão de Inteligência Comercial. Como Exportar. Japão. / Ministério das Relações Exteriores. – Brasília: MRE, 2018. 154 p. (Coleção estudos e documentos de comércio exterior.). 1. Brasil - comércio exterior. 2. Japão – comércio exterior. I. Título. II. Série. CDU 339.5 (82:81). Disponível em: https://investexportbrasil.dpr.gov.br/arquivos/Publicacoes/ComoExportar/CEXJapao.pdf. Acesso em: 27.mar.2021.

EPPO. 2002. Acanthoscelides obtectus (ACANOB)[Overview]. EPPO Global Data Base. Disponível em: https://gd.eppo.int/taxon/ACANOB. [Acesso em: 27.mar.2021].

Ferreira, L. T. & de Almeida, I. L. 2012. O feijão nosso de todo dia. EMBRAPA Transferência de Tecnologia - Brazilian Agricultural Research Corporation - Embrapa. Disponível em: https://www.embrapa.br/en/busca-de-noticias/-/noticia/1462995/o-feijao-nosso-de-todo-dia. [Acesso em: 27.mar.2021].

Kingsolver, J. M. 2004. Handbook of the Bruchidae of the United States and Canada (Insecta, Coleoptera). Disponível em: https://agris.fao.org/agris-search/search.do?recordID=US201300098374.// https://www.ars.usda.gov/is/np/Bruchidae/BruchidaeVol1.pdf

IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.  Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. 2018. Barreiras Fitossanitárias às Importações de Feijão no Brasil. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/9481/1/Barreiras%20fitossanit%C3%A1rias%20%C3%A0s%20importa%C3%A7%C3%B5es%20de%20feij%C3%A3o%20no%20Brasil.pdf. Acesso em: 27.mar.2021.

Oliveira, Marcelo Ramos de, Bonome, Lisandro Tomas da Silva, Bittencourt, Henrique von Hertwig, Zarowni, Edenilson, & Lefchak, Luan da Silva. (2018). Alternative treatments in bean seeds for repelling Acanthoscelides obtectus (SAY). Journal of Seed Science, 40(4), 362-369. https://doi.org/10.1590/2317-1545v40n4192099

*******

How to cite: Rosado, Jessica Pedroso. 2021. Restrição fitossanitária para exportação de feijão para o Japão. Agriporticus. Disponível em: http://www.agronomicabr.com.br/agriporticus/detalhe.aspx?id=969. Acesso em: 27.mar.2021 (Atualize a data de acesso.)

Nova busca

Sobreo projeto

O AgriPorticus é uma iniciativa do Agronômica visando compartilhar os registros de ocorrências de pragas e doenças, disponibilizando imagens que auxiliem o seu reconhecimento por extensionistas e agricultores no campo.
Visite o site para maiores informações: www.agronomicabr.com.br