Corn stalk rot caused by Dickeya zeae in Água Doce, SC / Podridão-do-colmo do milho por Dickeya zeae
05/02/2021

Ver ampliada

Figura 1. Colmos de plantas de milho híbrido, em estádio R3 (estádio reprodutivo "leitoso"), de lavoura em Água Doce, SC, recebidas em 15jan2021, com encharcamento e podridão.


Ver ampliada

Figura 2. Colmo de planta de milho híbrido, em estádio R3 (estádio reprodutivo "leitoso"), de lavoura em Água Doce, SC, 15jan2021, com podridão.


Ver ampliada

Figura 3. Colmo de planta de milho híbrido, em estádio R3 (estádio reprodutivo "leitoso"), de lavoura em Água Doce, SC, 15jan2021, com podridão.


Ver ampliada

Figura 4. Colmo de planta de milho híbrido, em estádio R3 (estádio reprodutivo "leitoso"), de lavoura em Água Doce, SC, 15jan2021, com encharcamento.


Ver ampliada

Figura 5. Fatias de tubérculos de batata inoculados com bactéria isolada do colmo de milho. A atividade pectolítica (maceração) é visível em três fatias e ausente no controle (testemunha).


Ver ampliada

Figura 6. Colmo de planta de milho híbrido, em estádio R3 (estádio reprodutivo "leitoso"), de lavoura em Água Doce, SC, 15jan2021, com encharcamento.


Ver ampliada

Figura 7. Colmo de planta de milho híbrido, em estádio R3 (estádio reprodutivo "leitoso"), de lavoura em Água Doce, SC, 15jan2021, com encharcamento.


Ver ampliada

Figura 8. Colônias de Dickeya zeae, em meio de cultura, isoladas de colmo de planta de milho híbrido, em estádio R3 (estádio reprodutivo "leitoso"), de lavoura em Água Doce, SC, 15jan2021, com encharcamento.



Colmos de plantas de milho híbrido, em estádio R3 (estádio reprodutivo "leitoso"), de lavoura em Água Doce, SC, foram recebidas em 15jan2021. O interessado informou que os sintomas característicos de enfezamento (encurtamento de entrenós, alteração na coloração das folhas, deformação das espigas) não foram observados neste híbrido, entretanto, lesões nas brácteas das espigas, e apodrecimento no primeiro, segundo ou terceiro entrenó eram evidentes. 

Os resultados das análises indicaram tratar-se de podridão-do-colmo causada por Dickeya zeae (sin. Erwinia chrysanthemi pv. zeae), com a presença conjunta de Pectobacterium carotovorum, Fusarium graminearum e F. oxysporum.

A caracterização de Dickeya zeae incluiu testes biológicos, fisiológicos, bioquímicos e moleculares. Entre os procedimentos, a bactéria foi isolada em meio de cultura B de King, macerou tecidos de batata, Gram negativa com KOH 3%, e a PCR com os oligonucleotídeos 1491f/L1RA/L1RG (Fessehaie et al., 2002) amplificou a região espaçadora intergênica (IGS), produzindo fragmentos de ≈ 400 pb e ≈ 490 pb, esperado para Dickeya sp.

O material foi testado para a presença de Spiroplasma kunkelii + fitoplasma + Maize rayado fino virus, agentes causais do Enfezamento Vermelho, Enfezamento Pálido e Risca, respectivamente, e os resultados foram negativos.

A podridão-do-colmo, causada por D. zeae, tem importância econômica devido ao grande número de plantas mortas. Os sintomas típicos são encharcamento dos tecidos, podridão mole do colmo, com um odor fétido característico, murcha generalizada e morte da planta. Um corte longitudinal do colmo revela a descoloração interna e podridão viscosa e mole que fica mais concentrada nos nós. Observa-se murcha generalizada das plantas durante o dia e recuperação de turgidez durante a noite, até que o processo fica irreversível. Sob condições muito favoráveis para o desenvolvimento da doença, observa-se necrose das nervuras nas folhas mais velhas. O colmo apodrece completamente e ocasionalmente o topo cai.

Algumas plantas hospedeiras de Dickeya zeae: batata, cana-de-açúcar (Yang et al., 2020), Canna comestível (Canna edulis) (Yang et al., 2019), milho (Guan et al., 2020; Martinez-Cisneros et al., 2014)...

Referências

Cardoso, S. V. D. Identificação de bactérias causadoras de podridões moles de ocorrência nos Estados do Pará e Minas Gerais. Dissertação apresentada à Universidade Federal de Lavras, como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação em Agronomia/Fitopatologia, área de concentração em Fitopatologia, para a obtenção do título de Mestre. 2019. 59 p.

Cardoza, Y. F.; V. Duarte ; C. A. Lopes . First Report of Blackleg of Potato Caused by Dickeya solani in Brazil. Plant Disease, v. 101, p. 243-243, 2016. Disponível em: https://apsjournals.apsnet.org/doi/10.1094/PDIS-07-16-1045-PDN

Fessehaie, A.; De Boer, S. H.; Levesque C. A. Molecular characterization of DNA encoding 16S-23S RNA intergenic spacer region sand 16S rRNA of pectolytic Erwinia species. Canadian Journal of Microbiology, vol. 48, p. 387-398, 2002.

Guan, Y., Chen, W., Wu, Y. et al. First report of corn stalk rot caused by Dickeya zeae on sweet corn in Shanghai, China. J Plant Pathol 102, 557–558 (2020). https://doi.org/10.1007/s42161-019-00447-8

Kumar, A. 2015. Genetic diversity of Erwinia chrysanthemi pv. zeae causing bacterial stalk rot of maize and its management. Disponível em: https://krishikosh.egranth.ac.in/handle/1/5810041083.

Kumar, A.; Hunjan, M. S.; Kaur, H.; Kaur, R. & Singh, P. P. 2016. Evaluation of management of bacterial stalk rot of maize (Dickeya zeae) using some chemicals and bio-agents. JANS. 8:1146–1151 Disponível em: http://journals.ansfoundation.org/index.php/jans/article/view/932. [Acesso em: 5.fev.2021].

Kumar, A.; Hunjan, M. S.; Kaur, H.; Rawal, R.; Kumar, A. & Singh, P. P. 2017. A review on bacterial stalk rot disease of maize caused by Dickeya zeae. JANS. 9:1214–1225 Disponível em: http://journals.ansfoundation.org/index.php/jans/article/view/1348. [Acesso em: 5.fev.2021].

Li, J.; Hu, M.; Xue, Y.; Chen, X.; Lu, G.; Zhang, L. et al. 2020. Screening, Identification and Efficacy Evaluation of Antagonistic Bacteria for Biocontrol of Soft Rot Disease Caused by Dickeya zeae. Microorganisms. 8 Disponível em: http://dx.doi.org/10.3390/microorganisms8050697.

Lopes, C. A. 1986. Bacterial Stalk and Top Rot of Maize in Florida Caused by Erwinia chrysanthemi pv. zeae. Plant Disease. 70:259a Disponível em: http://dx.doi.org/10.1094/pd-70-259a.

Martinez-Cisneros, B. A.; Juarez-Lopez, G.; Valencia-Torres, N.; Duran-Peralta, E. & Mezzalama, M. 2014. First Report of Bacterial Stalk Rot of Maize Caused by Dickeya zeae in Mexico. Plant Dis. 98:1267 Disponível em: http://dx.doi.org/10.1094/PDIS-02-14-0198-PDN.

Myung, I.-S.; Jeong, I. H.; Moon, S. Y.; Kim, W. G.; Lee, S. W.; Lee, Y. H. et al. 2010. First report of bacterial stalk rot of sweet corn caused by Dickeya zeae in Korea. New Dis. Rep. 22:15 Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/7311/f693287dd7c425bb80c43b3202b71a8bee83.pdf.

Ogoshi, C. ; Monteiro, F.P. ; Becker, W.F. ; Kvitschal, M.V. ; Cardoza, Y.F. ; Zanin, J.G. ; DuarteU, V. . First report of Dickeya dadantii causing a new disease of apple trees in Brazil. NEW DISEASE REPORTS, v. 39, p. 8, 2019.

Takeuchi, T.; Kodama, F. & Others. 1992. Bacterial stalk rot of corn caused by Erwinia chrysanthemi pv. zeae (Sabet) Victoria, Arboleda et Muñoz occurred in Hokkaido, Japan. Annual Report of the Society of Plant Protection of North Japan. :42–44 Disponível em: https://www.cabdirect.org/cabdirect/abstract/19932334531.

Yang, Q. Y.; Jiang, S. B.; Zhang, J. X.; Shen, H. F.; Sun, D. Y.; Pu, X. M. et al. 2019. First Report of Dickeya zeae Causing Bacterial Soft Rot on Canna edulis in China. Plant Dis. 103:146–146 Disponível em: https://doi.org/10.1094/PDIS-04-18-0616-PDN.

Yang, Y.; Yao, Z.; Zhang, M.-Q.; Zou, C. & Chen, B. 2020. First report of stalk bacterial soft rot of sugarcane caused by Dickeya zeae in China. Plant Dis. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1094/PDIS-10-20-2234-PDN.

*******

How to cite: Cardoza, Y. F.; Ortiz, P. C.; Martins, M. Corn stalk rot caused by Dickeya zeae in Água Doce, SC / Podridão-do-colmo do milho por Dickeya zeae. Agriporticus. Disponível em: http://www.agronomicabr.com.br/agriporticus/detalhe.aspx?id=948. Acesso em: 05 fev.2021 (Atualize a data de acesso.)

Nova busca

Sobreo projeto

O AgriPorticus é uma iniciativa do Agronômica visando compartilhar os registros de ocorrências de pragas e doenças, disponibilizando imagens que auxiliem o seu reconhecimento por extensionistas e agricultores no campo.
Visite o site para maiores informações: www.agronomicabr.com.br