Fumagina em Ligustrum japonicum
03/04/2018

Ver ampliada

Micélio de fumagina (Capnodium sp.) na superfície de folha de ligustro-do-japão, em Tampa, FL, EUA, março 2018. Pescoços alongados dos picnídios aparecem em abundância.


Ver ampliada

Micélio de fumagina (Capnodium sp.) na superfície de folha de ligustro-do-japão, em Tampa, FL, EUA, março 2018. Pescoços alongados dos picnídios aparecem em abundância.


Ver ampliada

Fumagina (Capnodium sp.), micélio negro, na nervura principal e no limbo de folha de ligustre-do-japão, Tampa, FL, EUA, março 2018.



Micélio de fumagina (Capnodium sp.) na superfície de folha de ligustro-do-japão (sin. alfenheiro, ligustro-japonês, wax leaf ligustrum, Japanese privet), nome científico Ligustrum japonicum Thunb., em Tampa, FL, EUA, março 2018.

A fumagina se alimenta das dejetos de insetos, principalmente moscas-brancas, pulgões, escamas e cochonilhas, que se alimentam da seiva das plantas. Enquanto se alimentam de seiva de plantas, os insetos excretam uma substância açucarada. Uma infestação pesada de insetos fará com que todas as folhas de uma planta sejam cobertas com fumagina. Uma árvore muito infestada derrubará a substância açucarada nas plantas inferiores.

O fungo, Capnodium sp. e outros, começa a se alimentar da substância açucarada e rapidamente se espalha pelas folhas, caules e plantas ao redor. Como a maioria dos fungos, os esporos estão sempre presentes no ambiente e são facilmente disseminados pelo vento, pela água e pelo contato. A melhor solução para o controle da fumagina é a prevenção e controle de insetos.

Eng. Agr. Valmir Duarte, Professor Titular de Fitopatologia (aposentado da UFRGS), PhD Plant Health (LSU, EUA), valmir@agronomicabr.com.br

Nova busca

Sobreo projeto

O AgriPorticus é um projeto do Agronômica, laboratório de diagnóstico fitossanitário, de iniciativa privada, credenciado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
Visite o site para maiores informações: www.agronomicabr.com.br